12 de setembro de 2017

PROJETO prevê substituição de 2,4 mil luminárias no bairro até 2018

 Campeche e Sul da Ilha brevemente poderão ser identificados na paisagem da capital pelo seu provável clarão luminoso. Isso pelo menos é o que prevê projeto de melhorias na iluminação pública da capital recentemente deflagrado pela Prefeitura, cujo planejamento estabelece seu início pelo Campeche e bairros do Sul da Ilha.
Num investimento de cerca de R$ 20 milhões, oriundos da Contribuição para Serviços de Iluminação Pública (Cosip) – aquela ‘taxinha’ que vem todo mês embutida na nossa conta de luz -, o projeto prevê contemplar a substituição de 16 mil pontos de luz, cerca de 30% da rede do município, beneficiando 1,5 mil ruas de 48 bairros.
“Iniciaremos o projeto pelo lado sul da Ilha”, confirma o  ex-vereador e atual diretor da Cosip, Waldyvio Paixão, mais conhecido como Coronel Paixão. O Campeche será o bairro mais beneficiado, com substituição de mais de 2,4 mil pontos. Além de oferecer mais luminosidade, o projeto também mira baratear os custos de manutenção e consumo dos equipamentos, substituindo luminárias de alumínio por outras de alto rendimento.
“Nosso plano é atacar todas as lâmpadas abertas até o final de 2018”, comentou Paixão, prevendo uma redução de até 50% nos custos de manutenção. O dirigente calcula que as ruas que ganharem novos equipamentos terão um ganho médio de 30% a 35% em luminosidade. O foco serão aquelas que possuem sistemas antigos, mas algumas que tiveram melhorias incompletas recentemente também deverão ser contempladas.
Nas ruas mais estratégicas, explicou ele, já serão instaladas modernas luminárias de led, enquanto as demais receberão equipamentos intermediários, em razão dos custos. Na região, duas já confirmadas para receberem equipamentos em led são a Avenida Pequeno Príncipe – a principal do Campeche – e a SC-405, mais movimentada rodovia estadual do Sul da Ilha.
Além das questões tecnico-operacionais, o projeto também funcionará como uma das linhas auxiliares de um macroprojeto voltado à segurança da capital. Conforme o coronel, a deflagração efetiva das obras, a cargo do Consórcio SQE Luz, só depende agora do desembarque e triagem do material e equipamentos, que estão em vias de chegar de São Paulo. (Foto: Cristiano Andujar/Divulgação/JC)