AMEAÇA de verticalização predial volta a pairar sobre o Campeche

centenas de emendas pela Câmara de Vereadores e mesmo oriundas do próprio governo municipal, o projeto manteve a restrição à expansão construtiva, considerada pelos movimentos comunitários locais como um dos pilares para a sustentabilidade da região. Reiteradas vezes, moradores do Campeche foram às ruas contestar a flexibilização predial na região, inclusive uma inacreditável e nefasta proposta de se permitir até 12 andares na planície há alguns anos (foto). O delegado distrital do Campeche no Núcleo Gestor Municipal, Ataíde Silva, considera positiva a rediscussão do plano, porque possibilita a correção de uma série de alterações no projeto original concebido pelas comunidades, nos âmbitos ambiental e viário, mas alerta para o risco latente de novas pressões pela liberalização predial na região. “Precisamos estar atentos para fiscalizar de o voto dos nossos vereadores”, afirmou. Além da manutenção dos gabaritos construtivos, fixados em dois pavimentos em toda a Planície do Campeche, Silva ressalta como essencial corrigir distorções no sistema viário previsto no texto de 2014, entre elas a introdução de vias agressivas na região, com até 35 a 40 metros de largura. “Esse tipo de via é uma pegadinha para verticalizar, porque mais tarde é só a Câmara alterar o zoneamento”, argumentou. A preocupação é corroborada pelo delegado distrital do Pântano do Sul, Gert Schinke, que salienta como agravante a perigosa confluência de datas entre as definições sobre o plano diretor e as novas eleições municipais. “Essas discussões já deveriam ter sido iniciadas pelo menos um mês antes, mas fomos foto vencido na definição do cronograma no Núcleo Gestor”, assinalou. O grande temor das lideranças comunitárias é de que o projeto possa ser votado a toque-de-caixa pela Câmara de Vereadores em pleno período eleitoral, quando muitos ficam suscetíveis aos tradicionais financiadores de campanha. A possível transferência da votação do novo plano para após o pleito, por sua vez, pode levar os ‘não reeleitos’ a votarem descomprometidos. Existe ainda o risco da apreciação ficar para a nova legislatura, a partir de janeiro de 2017. O próprio vereador oposicionista Lino Bragança Peres (PT) considera pertinente a preocupação com uma possível nova pressão econômica para alterar diretrizes urbanas fixadas pela comunidade. “Existe sempre o risco de que as comunidades sejam usadas como mera fachada homologatória”, comentou. O dirigente lembra que só do ano passado para cá já teriam sido liberados 180 mil metros quadrados de novas construções no Campeche e região por meio de decreto. Audiência final está prevista para agosto Com duas audiências públicas realizadas no Sul da Ilha no final de maio, no Campeche e Armação, a Prefeitura deu a largada à retomada das discussões do plano diretor da capital, visando a concepção de um novo projeto de política urbana para a capital. A iniciativa atende determinação judicial, que considerou ilegal o rito utilizado para elaboração e sanção do plano aprovado pelo governo municipal em 2014, por restringir a participação popular. A Prefeitura fixou um calendário de rediscussão que contempla a realização de 13 audiências distritais até o final de junho, a última delas prevista para 29/06 no Ribeirão da Ilha, uma audiência geral e outras duas finais, estando a derradeira programada para 18/08, menos de dois meses antes das eleições. As duas primeiras audiências, no Campeche e Armação, respectivamente, reuniram quase 500 pessoas. Presente a ambas, o delegado distrital do Pântano do Sul, Gert Schinke, considerou os eventos muito positivos. Ambas deixaram explícitas, através de intervenções e discursos, do amplo apoio da maioria às diretrizes fixadas pelas comunidades. Na audiência da Armação, o projeto comunitário teve até aprovação em votação simbólica dos 130 presentes. Todas as audiências, no entanto, tem caráter meramente consultivo. A assessoria do Instituto de Planejamento Urbano da capital (IPUF), que coordena a realização das audiências, informou que as atas destes encontros serão transformadas posteriormente em relatórios com divulgação pública. Em relação às duas primeiras, no Sul da Ilha, a previsão é de que o documento fique pronto até meados de junho. (Foto: Willi Heisterkamp/Divulgação/Arquivo/JC)      

ALVO de denúncia, prédio irregular de 2 andares é demolido no bairro

PREFEITURA reafirma plano de concluir elevado até dezembro

MORADORES pedem mais médicos em posto de saúde do Campeche

Safra da tainha começa com captura recorde em 18 dias

CASA de pedra, um enigma de 60 anos no alto do Morro das Pedras

EDIFICAÇÃO foi palco de 23 cenas de novela de televisão em 2011

Radar

NOVA onda de roubos castiga o Campeche e região

Vitrine

PIZZARIA Estrela da Ilha inaugura novas e modernas instalações

Artigos

GRAVIDEZ em tempos de Zika Vírus; um alerta aos adolescentes

Fala Campeche

LEITOR critica projeto de emissário no CAMPECHE

Vida & Saúde

CLÍNICA Santa Úrsula muda de endereço após 15 anos

Casa & Obra

SOB nova direção, Habiflex fortalece locação e venda de imóveis

Planta & Jardim

TELHADOS verdes são uma aposta bonita e sustentável

Bichos & Cia

ANIMANÍACOS amplia serviços e oferece veterinário 24 horas

Letras & Livros

CAIO Fernando Abreu, para sempre na memória dos leitores

Agenda

CONFIRA capa da edição 143 do Jornal do Campeche

Só Riso

O BARBEIRO, o florista, o padeiro e os nossos políticos

Sabor & Arte

MARIA PIMENTA, nova parada para almoço no Sul da Ilha

Moda & Estilo

GRUPO Malwee investe em moda biodegradável

Esporte & Ação

Liga Retrô comemora 10 anos com ações inéditas na rede

Planeta Ecologia

CAMPECHE ganha inovadora lavação ecológica de veículos

Tecnologia

EMPRESA da capital produz alimentos com água livre de contaminantes