SUL DA ILHA reage após devastação provocada por ciclone

omento é de união de todos, nativos, adotados e recém-chegados para recuperar a infra-estrutura e a auto-estima da região. Após um domingo de comoção e estupefação por conta da dimensão dos estragos, com raros estabelecimentos abrindo as portas para atender o público, na segunda-feira (05/12) o clima na região já era de superação, com lojas de material de construção lotadas, barulho intenso de motosserras, moradores e comerciantes consertando telhados, limpando suas residências e estabelecimentos comerciais. A intendência local botou o bloco na rua para ajudar os atingidos e recuperar a infraestrutura local. Com ventos que ultrapassaram a velocidade de 118 quilômetros por hora, o ciclone extra-tropical que castigou o Sul da Ilha, a capital e boa parte da Grande Florianópolis na madrugada de quatro de dezembro já é considerada a maior tragédia climática da história da região. Segundo o diretor da Defesa Civil da capital, coronel José Cordeiro Neto, o volume de destruição provocado pelo fenômeno não encontra precedentes na história do município. Precedido de chuvas intensas e intermitentes, que alcançaram em poucas horas o volume de águas previsto para o mês inteiro, o ‘fenômeno climático adverso’, conforme designação da Defesa Civil, iniciou por volta das 02h25 de domingo, e se estendeu por mais de três horas, até próximo de seis horas. Com rajadas de vento devastadoras, derrubou milhares de árvores e galhos, postes, paradas de ônibus, placas de propaganda e todo tipo de objetivo fixo que encontrava pelo caminho. Milhares de residências foram destelhadas em toda a capital e região, muitas sofreram danos estruturais e houve até alguns deslizamentos de terra pontuais. “Foram mais de 700 árvores que caíram sobre residências”, destacou o coronel Neto. Balanço divulgado no dia 08/12 pela Defesa Civil municipal aponta mais de 800 desalojados em consequência do fenômeno, dos quais 400 ainda estariam em casa de parentes e amigos. Cerca de 260 mil unidades consumidoras ficaram sem energia elétrica em consequência do fenômeno, a maior parte em decorrência da queda de postes e de árvores sobre a fiação. Em toda a região, teriam sido derrubados em torno de 300 postes da rede de energia elétrica. Só na capital, foram 191 mil unidades sem energia. Apesar da intensidade do fenômeno, não houve registros de vítimas fatais e mesmo feridos com maior gravidade. (Foto: Milton Ostetto/Divulgação/JC).

MORADORES da região viveram madrugada de pânico e terror

BAIRROS do Sul da Ilha foram os mais castigados pelo fenômeno

RASTRO de prejuízos deixado por ciclone supera R$ 120 mi na capital

CONCLUSÃO de elevado no Sul da Ilha será primeiro desafio de Gean

CAPITAL projeta atrair dois milhões de visitantes na temporada 2017

JARDIM Botânico, novo oásis em área nobre no centro da cidade

Radar

TRILHA da Lagoinha do Leste ganha reforma e acesso fica mais fácil

Vitrine

LA BELLE, moda íntima para todos estilos no centrinho do Campeche

Artigos

Tributação imobiliária x Planta Genérica de Valores: cuidado!

Fala Campeche

LEITOR rejeita projeto de emissário submarino de esgoto no bairro

Vida & Saúde

PIONEIRA no Sul da Ilha, Farmácia Lothfar comemora 26 anos

Casa & Obra

DICAS para renovar a pintura da casa sem mistérios

Planta & Jardim

TELHADOS verdes são uma aposta bonita e sustentável

Bichos & Cia

CLÍNICA na Lagoa inova e abre creche e academia para cães

Letras & Livros

Exposição EPIFÂNICAS, de Clara Fernandes, chega a Florianópolis

Agenda

CONFIRA capa da edição 146 do Jornal do Campeche

Só Riso

O BARBEIRO, o florista, o padeiro e os nossos políticos

Sabor & Arte

NOVA casa italiana do Sul da Ilha oferece show de massas ao vivo

Moda & Estilo

PIONEIRA na Costa Leste-Sul, Óticas Catarina chega aos 15 anos

Esporte & Ação

NOAH SURFBOARD, novo endereço para atletas e fãs da moda surfe

Planeta Ecologia

MINHOCÁRIO caseiro reduz em até 70% produção de lixo doméstico

Tecnologia

CUPINSECT garante combate sem tréguas ao devorador da madeira